Há 10 anos, lançamento do clipe de “Strawberry Swing” impressionava o público

Um dos lançamentos mais prestigiados da carreira da banda é reconhecido por ser inovador e de história cativante.

25.jul.2019
coldplay strawberry swing music video
Chris Martin salva a princesa no clipe de “Strawberry Swing”. (Foto: Reprodução)

Engatilhadas no aniversário de dez anos de lançamento do álbum Viva La Vida or Death and All His Friends, completados no ano passado, diversas lembranças vieram à tona com mais intensidade do que as comuns efemérides — provavelmente as únicas pautas dos fã-sites nos períodos de hiato, como o que estamos agora.

Com sorte, o enfoque especial em alguns lançamentos específicos nos faz lembrar de momentos marcantes da carreira da banda. É o caso do lançamento do videoclipe de “Strawberry Swing”, que completou 10 anos no último sábado, dia 20.

O quinto — e último — single de Viva La Vida abriu de maneira grandiosa a despedida de uma das mais brilhantes eras da banda. Naquele já longínquo 2009, Coldplay divulgava seu quarto álbum com sua primeira turnê realmente massiva — prestes a retornar ao Brasil — e, na onda do resgate um estoque crítico “murchado”, era um dos maiores indicados da 51ª edição do Grammy, com sete indicações e um saldo de três vitórias, incluindo na categoria Canção do Ano, com a faixa-título do álbum.

Viva La Vida nasce a partir de um contexto histórico de guerra, nervos acirrados na política e a maior crise econômica desde a Grande Depressão, em 1929. Situação que fez Coldplay abdicar de abordar uma narrativa pessoal e introspectiva para firmar, de vez, seus posicionamentos a respeito de tudo o que acontecia naquele momento.

E até mesmo em “Strawberry Swing” todos estes ideais estão presentes — e não de maneira tão sutil. O eu-lírico da canção deixa claro: enquanto todos estão brigando [“everybody was for fighting”] e movendo-se constantemente em uma linha perfeitamente reta [“people moving all the time inside a perfectly straight line”], ele só quer estar no balanço “de morango”, que é a imagem idealizada perfeitamente no qual se vê na companhia das pessoas que ama, não importa se o céu estiver azul ou cinza [“now the sky could be blue, could be grey, without you I’m just miles away”].

Comparado aos demais videoclipes de Viva La Vida, o de “Strawberry Swing” é o único que conta uma história, esta, alinhada à narrativa contada no álbum — mesmo que de maneira mais sutil, eufêmica, “fofinha”. Nele, Chris Martin é um super-herói que precisa salvar uma rainha das garras de um terrível esquilo gigante assassino.

Inovador, fez uso das técnicas de stop motion e desenhos em giz (que se tornaram alvo de críticas que questionaram sua veracidade em alguns momentos do vídeo), ganhou três prêmios nos UK Music Video Awards de 2009 — Vídeo do Ano, Melhor Animação em um Vídeo e Melhor Vídeo de Rock — e foi indicado na categoria Vídeo Inovador nos Video Music Awards, da MTV, em 2010. Chegou até a ser exibido em algumas salas de cinema do Reino Unido.

Contudo, o grupo de artistas visuais Shynola, diretores do videoclipe, assume que a prioridade era fazer algo surreal e quase como um sonho, mas que a técnica em si seria demais para os olhos. “Então, quando tivemos a ideia de um dia com um super-herói em uma aventura estranha, escolhemos enquadrar a jornada com uma narrativa muito simples, fácil de compreender: um super-herói salva a garota do mal”, disseram, em entrevista ao Anchorman.

Sobre as críticas que apontaram que os desenhos no chão são, na realidade, efeitos de computação, os diretores desabafam: “Ninguém parece querer acreditar que desenhamos no chão. O que é particularmente irritante, vendo quanto tempo o vídeo nos levou.”

Talvez o ponto alto dos videoclipes, diferentemente dos filmes e das séries, seja justamente a possibilidade de discuti-los abertamente, falar sobre seus enredos num todo, sem receio de spoilers, e indagar como suas narrativas, apesar de seguirem padrões, são muito mais maleáveis e receptivas a mudanças. De qualquer maneira — talvez muito mais à época de “Strawberry Swing” do que agora —, o lançamento de videoclipes de grande produção ainda parece chocar a mídia especializada e a crítica — enquanto o público simplesmente se esbalda neles e enaltece ainda mais quem os lança. Como se “Bohemian Rhapsody” tivesse sido um simples vídeo promocional barato e “Thriller” não fosse o grande transformador do videoclipe em um produto audiovisual obrigatório.

Tags:

Comentários

As mensagens deixadas por leitores não são responsabilidade do Coldplay Brasil. Vale lembrar que, como não compactuamos com discurso de ódio, comentários que sejam ofensivos serão excluídos. Nós também utilizamos o Akismet para tentar reduzir spam. Clicando aqui você entende como seus dados são processados.

Deixe um comentário

Skip to content