“Orphans” e a angústia de jovens refugiados

Carro-chefe de Everyday Life conta a história de Rosaleem, Baba — e de 18.2 milhões de habitantes da Síria afetados por conflitos políticos.

26.dez.2019

“Eu quero saber quando posso voltar e ficar bêbado com meus amigos”, questionam jovens de Damasco, capital da Síria, na abertura de “Orphans”, carro-chefe do álbum Everyday Life. A música foi escrita por Chris Martin junto com seu filho mais novo, Moses Martin. Além disso, conta com a participação de Apple Martin, filha mais velha do vocalista.

Em contrapartida ao clima familiar, “Orphans” descreve a angústia de refugiados que precisaram deixar suas casas e famílias após os ataques aéreos contra a Síria, orquestrados pelos governos dos Estados Unidos, Reino Unido e França, que ocorreram em abril de 2018.

Rosaleem dos damascenos
Sim, ela tinha olhos como a Lua
Teria estado nas telas de cinema
Mas, por conta da chuva de mísseis
Índigo vai para o céu hoje

Após a frase de abertura que se repete no refrão da canção, podemos conhecer Rosaleem, nome da garota damascena — como são conhecidos os habitantes de Damasco — que é uma das responsáveis pelo questionamento inicial da música.

A jovem, cujo nome faz referência a uma flor, é descrita como alguém que possui olhos que brilham como a luz do luar e que se tornaria uma atriz no futuro. No entanto, em um dos ataques, Rosaleem é atingida por mísseis e morre.

Baba ia aonde as flores crescessem
Amendoeiras e pessegueiros em flor
E ele sabia exatamente quando e o que semear
Tão dourado e oportuno
As tulipas estão cor de mel hoje
Com as bombas fazendo boom ba-boom-boom

O segundo verso da canção relata o que aconteceu com Baba — palavra árabe que significa “pai”. A música o descreve como um agricultor que sabia quando era a hora correta de semear.

A beleza de Damasco é ressaltada pela menção às flores, amendoeiras, pessegueiros e pelas tulipas cor de mel que se espalhavam pela cidade. Contudo, atualmente, a maior parte da região está em ruínas por conta dos ataques. No final do verso, o pai de Roseleem também é atingido pelas bombas e morre.

Oh, eu quero saber quando eu posso
Voltar e ficar bêbado com meus amigos
Eu quero saber quando eu posso
Voltar e ser jovem novamente

Por fim, o refrão retrata a angústia e o pedido de socorro não somente de Roseleem e seu pai, mas dos 18,2 milhões de habitantes da Síria que são afetados pelos conflitos. Afinal, tudo o que estas pessoas buscam é voltar a ter uma vida normal, beber com os amigos e resgatar a juventude que foi interrompida pela guerra.

Tags:

Comentários

As mensagens deixadas por leitores não são responsabilidade do Coldplay Brasil. Vale lembrar que, como não compactuamos com discurso de ódio, comentários que sejam ofensivos serão excluídos. Nós também utilizamos o Akismet para tentar reduzir spam. Clicando aqui você entende como seus dados são processados.
  1. Leandro Sousa leite

    26.dez.2019, 20:37

    Muito bom !

Deixe um comentário

Skip to content