Órfãos e arabescos

É a hora de lutar pelos órfãos, pelos arabescos e por tudo o mais que possa surgir em Everyday Life.

27.out.2019

Depois de muito mistério por trás de anúncios e pistas sutis lançados à moda antiga, Coldplay está, oficialmente, de volta.

Pelo menos para mim, o anúncio de um novo álbum causou surpresa. Confesso que não esperava — não neste momento —, mesmo que A Head Full of Dreams já esteja entre nós há quatro anos.

O que não me surpreende — e não levem isso a mal; muito pelo contrário — é o contexto em que Everyday Life, mesmo ainda pendente de lançamento, está inserido.

Uma das primeiras informações ao nosso alcance já adianta que o álbum terá um forte apelo político, “por falar sobre assuntos contemporâneos como guerras, refugiados, a ascensão do nacionalismo, sexismo, racismo, brutalidade policial, corrupção e controle do armamento.” Nós adiantamos o que a loja holandesa PlatoMania trouxe, neste domingo (27), em nosso Twitter.

No ano passado, em entrevista ao Coldplay Brasil, o diretor Mat Whitecross disse o seguinte: “vivemos em tempos cínicos e sombrios.” Essa frase nunca mais saiu da minha cabeça, principalmente ao acompanhar os acontecimentos que se desencadearam no Brasil e no mundo naquele último trimestre de 2018.

Antes de seguir adiante, gostaria de deixar claro que publico isso em um fã-site com tranquilidade. Em primeiro, devido ao fato já descrito logo acima, e porque Coldplay é uma banda que nunca deixou de se posicionar em troca de agradar meia dúzia de pessoas.

Coldplay é uma banda que nunca deixou de se posicionar em troca de agradar meia dúzia de pessoas.

Mat, por sua vez, tem lutado publicamente contra a saída do Reino Unido da União Europeia. Já eu, aqui no Brasil, tenho me deparado, desde o último trimestre de 2018 (quando aquela entrevista foi publicada e aquela frase entrou na minha cabeça), com um país que volta a flertar com o autoritarismo e a censura, tanto na cultura, quanto na imprensa. (Sobre isso, não vou me alongar muito, não é a função deste portal.)

Ver essa foto no Instagram

NEVER GONNA GIVE EU UP #peoplesvotemarch

Uma publicação compartilhada por Mat Whitecross (@mat_whitecross) em

Enquanto isso, em outras regiões do globo, milhares de órfãos e árabes se encontram à mercê devido à uma série de questões que, se eu fosse listar aqui, teria que remeter a um período da história muito longínquo e me alongar explicando.

Mas posso garantir que é uma situação que vai muito além de se inspirar em uma sonoridade e utilizar um alfabeto ocidental. Está em uma banda que entende seus privilégios e sempre utilizou o seu espaço para defender aquilo que acredita ou que é um problema do mundo.

Não esqueçamos de quando, em turnê com A Rush of Blood to the Head, em 2003, Coldplay levou aos shows uma petição em prol do comércio justo. Um ano antes, Chris Martin visitou o Haiti, junto da Oxfam, e viu de perto como a injustiça no comércio afeta agricultores menos favorecidos financeiramente.

Chris Martin em visita ao Haiti, no começo da campanha Make Trade Fair, da Oxfam. (Imagem: Reprodução)

Desde então, a Oxfam esteve presente em todas as turnês do Coldplay, promovendo campanhas que defendam as populações atingidas pelas diversas crises ocorridas neste começo de século, do comércio justo, a grilagem de terras e, na turnê A Head Full of Dreams, a assistência aos refugiados.

Agora é a hora de lutar pelos órfãos, pelos árabes e por tudo o mais que possa surgir em Everyday Life — e em uma eventual turnê. E, nesse caso, a nossa arma, a do Coldplay, a de Mat, será a música. Porque a música é a arma do futuro.

Entre discutir se é a apropriação cultural — porque sei que esse debate vai acontecer, em alguma hora — ou firmar um posicionamento político que defenda alguém marginalizado, prefiro ficar com a segunda opção. Prefiro ficar com Coldplay.

Tags:

Comentários

As mensagens deixadas por leitores não são responsabilidade do Coldplay Brasil. Vale lembrar que, como não compactuamos com discurso de ódio, comentários que sejam ofensivos serão excluídos. Nós também utilizamos o Akismet para tentar reduzir spam. Clicando aqui você entende como seus dados são processados.

Deixe um comentário

Skip to content