Carta aberta pelo Dia Internacional da Mulher é assinada pelo Coldplay
Carta aberta pelo Dia Internacional da Mulher é assinada pelo Coldplay

Outros artistas como Beyoncé, Madonna e John Legend também assinaram a carta em nome da Global Citizen e Chime For Change.

Compartilhe
Publicado em 8 de março de 2017 e atualizado pela última vez em 8 de março de 2017 às 20:58.

Vivendo um “momento crítico na história”, diversos artistas se reuniram para assinar uma carta aberta pelo Dia Internacional da Mulher em nome da Global Citizen e da Chime For Change. Entre os nomes que a assinam estão, além do Coldplay, as cantoras Beyoncé e Madonna, o músico John Legend, e as atrizes Salma Hayek e Julia Roberts.

Clamando por igualdade de gênero, o texto também demonstra oposição às recentes políticas de direitos humanos tomadas pelos líderes mundiais. “A legislação e a retórica recentes colocaram décadas de progresso para meninas e mulheres em riscos”, escreveram os signatários.

“Em todo o mundo, as mulheres estão na linha de frente lutando pelo nosso futuro. No entanto, a milhões de meninas e mulheres ainda são negados direitos iguais básicos. E as políticas e compromissos recentes nos Estados Unidos comprometem sua posição como líder global e modelo positivo de direitos humanos”, adicionam.

Beyoncé ajudou a fundar a Chime For Change, em 2013, uma organização que visa o empoderamento feminino e Chris Martin é um dos embaixadores da Global Citizen e assina a curadoria do Festival Global Citizen anual até 2030.

Confira a íntegra da carta:

Chegamos a um momento crítico na história. A recente legislação e retórica colocaram décadas de progresso para meninas e mulheres em risco.

Em 2013, nos juntamos com a Chime For Change para reunir, unir e fortalecer as vozes que falam para meninas e mulheres ao redor do mundo. Hoje, nos encontramos sob a ameaça de vermos inverter o valor dos duramente conquistados ganhos de uma geração.

Em todo o mundo, as mulheres estão na linha de frente lutando pelo nosso futuro. No entanto, a milhões de meninas e mulheres ainda são negados direitos iguais básicos. E as políticas e compromissos recentes nos Estados Unidos comprometem sua posição como líder global e modelo positivo de direitos humanos.

Estamos juntos para dizer, em uma voz mais alta do que nunca, que lutar pela igualdade de gênero é a emergência e a oportunidade do nosso tempo.

Com cada geração, nossa história se espalhou mais, tornou-se mais familiar. As vozes dizem que é mais corajoso, mais poderoso. Mas a nossa história está longe de terminar.

Trata-se de ouvir um chamado – para se juntar a nós onde quer que esteja. Sobre soar um alarme – chamando a atenção para onde há trabalho a ser feito. E sobre celebrar – aqueles que já estão nos mostrando, contra probabilidades impossíveis, o que é possível.

Acreditamos que a conexão nos capacita. Que cada voz importa. Que cada um de nós é necessário para alcançar a mudança. Acreditamos que podemos fazer coisas extraordinárias quando nos reunimos.

Nós lutamos por educação. Pela saúde. Por justiça. Por cada garota. Cada mulher. Em toda parte. Lutamos pelo nosso futuro. Porque nenhum de nós pode avançar se metade de nós é contida.

Junte-se a nós e tome medidas para a igualdade de gênero em globalcitizen.org/IWD2017

Por Marcelo Monteiro
Aspirante a jornalista que ama música mas também sonha em ser publicitário. Como você pode ter percebido, sou libriano.