Will Champion – Coldplay Brasil
Will Champion

O assustador que toca a bateria

Nome completoWilliam Champion
Nascimento31 de julho de 1978 (40 anos), Southampton, Hampshire, Inglaterra
Instrumentosbateria, vocais, piano, violino, guitarra, baixo, banjo, sintetizador, flauta
Principais equipamentosYamaha Silver Sparkle Drums
Yamaha 24″ kick drum
Brady 14 x 6.5 Hybrid Block (Jarrah & Sheoak)
Roland SPD-SX Sampling Pad
Período em atividade1997+
Altura1,80 m

Nascimento e infância

William Champion nasceu em Southampton, Hampshire, Inglaterra no dia 31 de julho de 1978 e foi criado em uma pequena área urbana denominada Chandlers Ford, nos arredores de Southampton, onde seu pai, Timothy, foi um professor de arqueologia e sua mãe, Sara, professora. Cresceu tocando guitarra, mas também tinha experiências no piano, baixo e flauta. Antes de se juntar ao Coldplay tocou numa banda chamada Fat Hamster.

Música e projetos

Entrou para o Coldplay no dia de seu aniversário, em 1997, sendo o último a entrar para a banda e assumindo então a posição de baterista sem ter experiência com o instrumento. Em 1999, Chris Martin o demitiu da banda, mas pediu para que voltasse logo depois. Em projetos paralelos ao Coldplay, Will contribuiu com o tecladista da banda A-Ha, Magne Furuholmen, em seu álbum solo Past Perfect Future Tense e apareceu em um episódio da série da HBO, Game Of Thrones, programa do qual Will é um grande fã.

Vida pessoal

Foi o primeiro integrante da banda a se casar. Em 2003, casou com Marianna Dark, uma professora com quem tem três filhos: a primeira, Ava, nasceu em 14 de abril de 2006 e os gêmeos Juno e Rex, nascidos em 7 de maio de 2008. O baterista é formado em antropologia. Sua mãe, Sara Champion, faleceu vitima de câncer em 2000. O primeiro álbum do Coldplay, Parachutes, foi dedicado à ela. Ele é um grande fã de esportes, em especial o futebol, e torce para o Southampton F.C.


Enviar sugestão
Reportar erro
© Coldplay Brasil 2012-2019 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Pilar Zeta e Rabbit Hole