Era Parachutes – Coldplay Brasil
Era Parachutes

2000 – 2001

“Tudo o que eu sei
É que não há nada do que fugir
Porque todo mundo aqui tem alguém em que apoiar”
A primeira capa de revista do Coldplay, uma edição de julho de 2000 da NME. (Imagem: Reprodução)

As gravações do álbum foram iniciadas no final de 1999 e finalizadas em 2000. O primeiro single, “Shiver”, foi lançado em março e alcançou a posição trinta e cinco na parada do Reino Unido e teve seu videoclipe exibido na MTV, sendo o primeiro da banda a passar no canal.

Em junho, com o lançamento de Yellow, o Coldplay finalmente viu uma de suas canções no top 5 das paradas. “Yellow” emplacou no quarto lugar no Reino Unido e então se tornou um hit, o que fez com que a banda ganhasse fama mundial.

Em julho, a banda estampou a capa de uma revista pela primeira vez. A NME da semana do dia 6 de julho de 2000 trazia o Coldplay e o dizer “O céu é o limite!”.

Agora famosos como a pior venda de uma NME.

— Chris Martin

Parachutes chegou às lojas em julho de 2000 e atingiu a posição de numero um no Reino Unido, ficando entre os dias 22 e 28 daquele mês no topo da parada. Para celebrar o lançamento do disco, o Coldplay se apresentou na loja HMV, em Londres – em seu 100º show.

Will Champion, Guy Berryman e Jonny Buckland posam após ganharem seu primeiro GRAMMY. (Imagem: Reprodução)

A banda começou a focar nos Estados Unidos e então o álbum foi lançado por lá em novembro, atingindo a posição 51 na Billboard 200. No ano seguinte eles embarcaram em uma série de shows no país, ganhando cada vez mais reconhecimento por lá.

As coisas ficaram ainda melhores quando Parachutes venceu o GRAMMY de Melhor Álbum Alternativo em 2002, sendo o primeiro troféu recebido por eles na premiação.

Nós ganhamos Melhor Alternativo, o que nos deixou surpresos pois Radiohead e Björk também estavam indicados.

— Guy Berryman

Próximo


Enviar sugestão
Reportar erro
© Coldplay Brasil 2012-2019 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Pilar Zeta e Rabbit Hole