Praticando isolamento social, Guy Berryman redescobre fotos da era Viva – Coldplay Brasil
Praticando isolamento social, Guy Berryman redescobre fotos da era Viva

Pelo Instagram, baixista compartilha fotografias tiradas durante as gravações do quarto álbum da banda

1.jun.2020
Negativos das fotografias tiradas por Guy Berryman durante as sessões de Viva La Vida. (Foto: Guy Berryman/Instagram/Reprodução)

Durante a pandemia do novo coronavírus, o isolamento social faz pensar em atitudes e iniciativas para que o período de reclusão seja o mais confortável possível.

Pensando nisso, Guy Berryman decidiu compartilhar fotografias que tirou durante as gravações de Viva La Vida or Death and All His Friends, quarto álbum da banda, realizadas, em maioria, ao longo de 2007.

“Usei muitos rolos de filme na minha Leica M7 durante esse período e, como uma espécie de projeto de ficar em casa, estou descobrindo como digitalizá-los de maneira adequada”, contou o baixista, na legenda da primeira foto que publicou. “Se você nunca tentou digitalizar um filme antes, deixe-me dar alguns conselhos; não faça isso, a menos que você esteja preparado para esmagar três ou quatro combos de scanner/laptop na tentativa de descobrir. A frustração nem sequer começa a descrever isso. E poeira… meu Deus, está em todo lugar…”, seguiu.

“Comecei o processo de organização das fotos da Era Viva, que tirei quase exclusivamente na minha Leica M7, que passou muito tempo em um armário. Muito… pode demorar um pouco para entrar em forma”, escreveu, na publicação que anunciou a revelação das fotos.

Assim, podemos pensar que o isolamento social é apenas domiciliar. Afinal, estamos todos juntos, conectados. E vai ser breve.

O Coldplay Brasil acompanha as publicações do baixista e as atualizará nesta publicação, assim que acontecerem.


Normalmente à frente da curva, Brian Eno previu o humor de hoje em 2007, quando estávamos gravando Viva La Vida…

Air Studios, 2007

Chris em seu habitat natural…

The Bakery Studios, 2007

Por sugestão de Brian Eno, com quem trabalhamos no álbum Viva La Vida, Jon Hopkins foi convidado ao estúdio para colaborar. Foi uma experiência nova trabalhar com outros músicos, e Jon contribuiu muito para o álbum – principalmente com a amostra de sua música Light ‘Through The Veins,’ que foi reaproveitada para uso como introdução a ‘Life in Technicolor’ e também em ‘The Escapist.’
Se você não está familiarizado com os álbuns de Jon, dedique algum tempo a ouví-los – todos são absolutamente brilhantes.

The Bakery Studios, 2007

Montamos nosso próprio estúdio de gravação, The Bakery, quando começamos a gravar o Viva La Vida. Ele nos ofereceu uma maneira diferente de trabalhar – tivemos muito mais tempo para experimentar, pois não estávamos sob as restrições usuais de tempo envolvidas na reserva de um estúdio comercial.⁣
Brian Eno gostava de começar todos os dias com uma espécie de sessão de ‘academia’ musical, onde tentávamos criar uma música com base em um conceito abstrato e geralmente matemático.
Aqui estão meus grandes irmãos sentados no fundo da sala de controle, possivelmente tentando descobrir a assinatura do tempo em ‘Death And All His Friends’…

The Bakery Studios, 2007

Em novembro de 2007, nos mudamos para Nova York para uma sessão de gravação no estúdio The Magic Shop, no SoHo de Manhattan.
As janelas causam problemas acústicos nos estúdios de gravação, o que pode torná-los lugares escuros. Mas o que faltava à The Magic Shop à luz do dia era facilmente compensado na vibração criativa, sem mencionar a história colorida (mais sobre isso em breve)…
Parece que me lembro que já tínhamos concluído a maior parte do trabalho no álbum Viva La Vida, mas estávamos, como é típico do nosso processo, trabalhando em uma adição de última hora; ‘Strawberry Swing.’ ⁣

The Magic Shop, novembro de 2007⁣

A Magic Shop provou ser um ótimo lugar para dar os retoques finais no álbum Viva. Infelizmente, esta lendária instituição de Nova York foi forçada a fechar em 2016, devido à escalada dos preços de aluguel no SoHo. Mas antes disso, já havia realizado sessões de gravação para Lou Reed, The Ramones, Sonic Youth, Nirvana e David Bowie, para citar apenas alguns…
Aqui sentado no console de gravação Neve dos anos 1970 – que foi importado dos estúdios da BBC em Maida Vale – está nosso amigo e produtor de longa data, Rik Simpson com quem trabalhamos desde 2001, quando ele trabalhou em A Rush of Blood to the Head conosco.⁣

The Magic Shop, novembro de 2007⁣

Brian Eno nos encorajou a cantar muito mais enquanto fazíamos o álbum Viva La Vida. É um equívoco comum que Brian esteja interessado apenas em sintetizadores e tecnologia; fomos retirados de nossas zonas de conforto e colocados na frente de microfones para backing vocals de grupo, que podem ser ouvidos ao longo do álbum. Aqui está a seção de ritmo, experimentando…
Eu suspeito que entreguei a câmera ao nosso velho amigo engenheiro de som e produtor, Daniel Green, para tirar essa.⁣

The Bakery Studios, novembro de 2007⁣

Uma foto franca do nosso velho amigo e diretor criativo Phil Harvey com o recém-contratado produtor Marcus Dravs do lado de fora da Magic Shop durante as sessões do Viva. Lendas e peças-chave na criação do Viva La Vida.
Marcus era um capataz de boas-vindas no estúdio e ainda consigo ouvir suas famosas palavras claramente em minha mente; “Não é bom o suficiente. Toque de novo.” – e depois que fomos feitos para executar cinquenta tomadas de uma música em sucessão, Marcus invariavelmente escolheria a primeira ou a segunda tomada como sua gravação preferida.

The Magic Shop, novembro de 2007⁣

Aqui está uma foto de uma sessão de ‘academia musical’ no The Bakery em pleno andamento. Brian sugeriria uma ideia matemática a seguir e criaríamos sequências de música para tocar depois de escrever uma estrutura. Chris parece estar manipulando o som com algum tipo de caixa mágica, provavelmente trazida por Brian. Às vezes, algo ótimo acontecia, às vezes não, mas sempre tínhamos um suprimento constante de outras músicas e ideias para trabalhar, cortesia do homem que nunca dorme, Christopher A.J. Martin…
Talvez seja hora de seguir em frente nas fotos de estúdio da era Viva e começar a explorar a próxima fase da campanha, como as roupas que criamos para a era Viva, com uma pequena ajuda de nossa amiga Stella McCartney…⁠

C. 2007⁣

Não podemos deixar as sessões de gravação da era Viva sem mencionar o incrivelmente talentoso Davide Rossi – com quem trabalhamos há muitos anos. Dav cria arranjos com uma série de overdubs para criar um som orquestral completo com uma variedade de instrumentos de corda acústicos e elétricos.⁠
Ele também responde ao nome ‘Raggamuffin’ e pode ser encontrado no @daviderossimusic.⁠⁠

The Bakery Studios, 2007⁣

Quando chegamos ao final da gravação de um álbum, sempre há um processo de descobrir como tocar as músicas ao vivo; muitas vezes há muitas camadas de som que precisam ser representadas. Até agora, essa deve ser uma das minhas digitalizações favoritas, tirada dessa fase de pré-produção ao vivo…⁠

The Bakery Studios, 2007⁣

Para criar imagens para a campanha do álbum Viva, fomos à Sicília com o fotógrafo Stephan Crasneanscki e o cineasta Asa Mader. Eu tenho ótimas lembranças daqueles dias – que incluíam tirar fotos dentro de uma das casas usadas para filmar O Poderoso Chefão e subir em uma cratera vulcânica (adormecida!) ⁠

Sicília, 2007⁣

O cineasta Asa Mader visto aqui segurando a câmera de filme Super 8 que ele usou para gravar o vídeo de “Violet Hill”. Aqui estamos no topo de um vulcão adormecido que serviu como um dos locais. ⁠⁠

Sicília, 2007⁣

O vídeo de ‘Violet Hill’ foi filmado no que eu descrevi anteriormente como ‘um dos vulcões adormecidos da Sicília’. Acontece que foi gravado na cratera do Monte Etna – que está muito vivo…

Sicília, 2007⁣
Tags:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do Coldplay Brasil e são de responsabilidade de seu respectivo autor. Utilizamos o Akismet para reduzir spam — entenda como seus dados de comentários são processados.

Deixe um comentário

Enviar sugestão
Reportar erro
© Coldplay Brasil 2012-2020 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA |
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Rabbit Hole