As ponderações de "WOTP / POTP" – Coldplay Brasil
coluna
Por trás da canção
18.dez.2019
As ponderações de “WOTP / POTP”

A sexta faixa de Everyday Life é, antes de tudo, uma reivindicação.

Chris Martin apresenta “WOTW / POTP” com violão, sentado ao piano, no show de lançamento de Everyday Life, na Jordânia. (Imagem: Reprodução)

A coluna Por trás da canção apresenta uma série especial com análises das letras de faixas selecionadas de Everyday Life, o novo álbum da banda.


É mais do que óbvio de que todo o Everyday Life tem referências críticas em seus líricos a temas que infelizmente ainda nos rodeiam, como a xenofobia e o racismo. A sexta música do álbum, “WOTP / POTP”, literalmente representa uma pausa nas sensações trazidas por essas violências diárias, ao mesmo tempo que reivindica soluções para esses problemas.

A música traz Chris Martin sendo respaldado por suaves melodias de violão e com um som ambiente que remete ao ar livre. Gravada no último dia da turnê em Buenos Aires, como informado à Apple Music, a música é uma demo gravada de forma amadora que entrou em sua forma original para o oitavo álbum de estúdio da banda.

Com versos relacionados a assuntos anteriormente abordados, “WOTP / POTP” é a sigla para “Wonder of the World, Power of the People”. A canção reflete versos de resistência em um mundo tão errado mas que ainda tem seu povo como poderio. Ao dizer que não quer algo imposto na sociedade, a banda vai contra a maré de preconceitos e reafirma a presença do monismo, unindo a todos e todas em um só elemento universal religioso, mas não ligado à uma fé determinada religiosamente.

Em um mundo errado
Eu serei forte
Maravilha do mundo, poder do povo
Eu não vou querer
Minha fé é forte
Maravilha do mundo, poder do povo

Ao mesmo tempo em que expõe versos de rebeldia, a música pode referenciar a uma submissão não tão exposta: a que devemos continuar a sermos quem somos, independentemente de comentários alheios ou de situações externas. No fim, nossa essência que permanece conosco durante todo o trajeto da vida cotidiana.

Nosso mundo esta noite
Faça certo

Em livreto do álbum, a banda brinca em declaração afirmando que ainda não havia finalizado a canção. (Imagem: Reprodução/Coldplay)

Tecnicamente, “WOTP / POTP” funciona como um interlúdio para “Arabesque”, música que já abordamos na coluna e que procura trazer uma conexão com a música sendo utilizada como uma arma combatente. As onomatopeias de Chris encerram a canção, que, segundo a banda, ainda não está oficialmente finalizada. Como demo, foi gravada com o objetivo de ser completada posteriormente, o que acabou não sendo feito se levarmos em consideração uma estrutura tradicional do início, meio e fim. 

Em Live in Jordan, Coldplay inseriu alguns novos versos na música e comenta seu término seguido da performance de “Arabesque”. Levando a um imaginário, “WOTP / POTP” pode remeter a uma pausa que devemos fazer em meio a todos os sentimentos e acontecimentos ruins que nos cerca, mas que nunca devemos parar de lutar por quem nós somos e por quem queremos nos tornar.

Ver álbum na Discografia


Estudante de jornalismo e redatora do Coldplay Brasil.

Brothers and sisters, unite

Acreditamos em pluralidade. Por isso, convidamos todos a escreverem colunas para o Coldplay Brasil. Além de agregar ao conteúdo do portal, enriquece o debate sobre cultura e dá valor à diversidade de opiniões.

Envie sua coluna
Reportar erro

Comentários

Os comentários não representam a opinião do Coldplay Brasil e são de responsabilidade de seu respectivo autor. Utilizamos o Akismet para reduzir spam — entenda como seus dados de comentários são processados.
  1. 19.dez.2019 às 19:43

    Maria Filomena

    Amo essa banda são simplesmente fantásticos quando vieram ao Brasil não consegui entrada para os shows. Fiquei muito frustrada por não assistir o show, agora é esperar eles voltarem ao Brasil, espero que seja muito em breve.

Deixe um comentário

© Coldplay Brasil 2012-2019 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Pilar Zeta e Rabbit Hole