Órfãos e arabescos – Coldplay Brasil
mm
opinião
Marcelo Monteiro
Órfãos e arabescos
27.out.2019

Depois de muito mistério por trás de anúncios e pistas sutis lançados à moda antiga, Coldplay está, oficialmente, de volta.

Pelo menos para mim, o anúncio de um novo álbum causou surpresa. Confesso que não esperava — não neste momento —, mesmo que A Head Full of Dreams já esteja entre nós há quatro anos.

O que não me surpreende — e não levem isso a mal; muito pelo contrário — é o contexto em que Everyday Life, mesmo ainda pendente de lançamento, está inserido.

Uma das primeiras informações ao nosso alcance já adianta que o álbum terá um forte apelo político, “por falar sobre assuntos contemporâneos como guerras, refugiados, a ascensão do nacionalismo, sexismo, racismo, brutalidade policial, corrupção e controle do armamento.” Nós adiantamos o que a loja holandesa PlatoMania trouxe, neste domingo (27), em nosso Twitter.

No ano passado, em entrevista ao Coldplay Brasil, o diretor Mat Whitecross disse o seguinte: “vivemos em tempos cínicos e sombrios.” Essa frase nunca mais saiu da minha cabeça, principalmente ao acompanhar os acontecimentos que se desencadearam no Brasil e no mundo naquele último trimestre de 2018.

Antes de seguir adiante, gostaria de deixar claro que publico isso em um fã-site com tranquilidade. Em primeiro, devido ao fato já descrito logo acima, e porque Coldplay é uma banda que nunca deixou de se posicionar em troca de agradar meia dúzia de pessoas.

Coldplay é uma banda que nunca deixou de se posicionar em troca de agradar meia dúzia de pessoas.

Mat, por sua vez, tem lutado publicamente contra a saída do Reino Unido da União Europeia. Já eu, aqui no Brasil, tenho me deparado, desde o último trimestre de 2018 (quando aquela entrevista foi publicada e aquela frase entrou na minha cabeça), com um país que volta a flertar com o autoritarismo e a censura, tanto na cultura, quanto na imprensa. (Sobre isso, não vou me alongar muito, não é a função deste portal.)

Ver essa foto no Instagram

NEVER GONNA GIVE EU UP #peoplesvotemarch

Uma publicação compartilhada por Mat Whitecross (@mat_whitecross) em

Enquanto isso, em outras regiões do globo, milhares de órfãos e árabes se encontram à mercê devido à uma série de questões que, se eu fosse listar aqui, teria que remeter a um período da história muito longínquo e me alongar explicando.

Mas posso garantir que é uma situação que vai muito além de se inspirar em uma sonoridade e utilizar um alfabeto ocidental. Está em uma banda que entende seus privilégios e sempre utilizou o seu espaço para defender aquilo que acredita ou que é um problema do mundo.

Não esqueçamos de quando, em turnê com A Rush of Blood to the Head, em 2003, Coldplay levou aos shows uma petição em prol do comércio justo. Um ano antes, Chris Martin visitou o Haiti, junto da Oxfam, e viu de perto como a injustiça no comércio afeta agricultores menos favorecidos financeiramente.

Chris Martin em visita ao Haiti, no começo da campanha Make Trade Fair, da Oxfam. (Imagem: Reprodução)

Desde então, a Oxfam esteve presente em todas as turnês do Coldplay, promovendo campanhas que defendam as populações atingidas pelas diversas crises ocorridas neste começo de século, do comércio justo, a grilagem de terras e, na turnê A Head Full of Dreams, a assistência aos refugiados.

Agora é a hora de lutar pelos órfãos, pelos árabes e por tudo o mais que possa surgir em Everyday Life — e em uma eventual turnê. E, nesse caso, a nossa arma, a do Coldplay, a de Mat, será a música. Porque a música é a arma do futuro.

Entre discutir se é a apropriação cultural — porque sei que esse debate vai acontecer, em alguma hora — ou firmar um posicionamento político que defenda alguém marginalizado, prefiro ficar com a segunda opção. Prefiro ficar com Coldplay.


Marcelo Monteiro é Fundador e editor-chefe do Coldplay Brasil, editor de vídeo e repórter na Ulbra TV e repórter do caderno Bom Exemplo, do Jornal NH.

Brothers and sisters, unite

Acreditamos em pluralidade. Por isso, convidamos todos a escreverem colunas para o Coldplay Brasil. Além de agregar ao conteúdo do portal, enriquece o debate sobre cultura e dá valor à diversidade de opiniões.

Envie sua coluna
Reportar erro

Comentários

Os comentários não representam a opinião do Coldplay Brasil e são de responsabilidade de seu respectivo autor. Utilizamos o Akismet para reduzir spam — entenda como seus dados de comentários são processados.

Deixe um comentário

*

© Coldplay Brasil 2012-2019 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Pilar Zeta e Rabbit Hole