Depois de cinco anos, Coldplay volta ao Brasil para dois shows incríveis – Coldplay Brasil
Depois de cinco anos, Coldplay volta ao Brasil para dois shows incríveis

Valeu a espera: as noites de 7 e 10 de abril vão ficar na memória de quem teve a oportunidade.

27.dez.2016

Esse ano foi bem conturbado para todo mundo, mas há pequenas (e ao mesmo tempo grandes) coisas que fizeram 2016 valer a pena.
Os dias 7 e 10 de abril nos fizeram relevar toda tristeza que tivemos até agora ao longo do ano. Pra falar a verdade, tudo começou mesmo lá em novembro de 2015. A ansiedade começou a tomar conta quando os pôsteres de divulgação da vinda da banda ao país foram achados pelos fãs em locais estratégicos nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

No dia 6 Coldplay já estava em solo brasileiro. Após o show da noite anterior em Lima, no Peru, eles resolveram ir direto para o Rio de Janeiro, onde estavam hospedados com a família no Copacabana Palace. Já no dia 7, pela manhã, Will e Jonny resolveram dar o ar da graça aos fãs que aguardavam ansiosamente no lado de fora do hotel por algum aceno ou atenção. Alguns fãs sortudos conseguiram fotos e autógrafos – e outros, casualmente barraram com Chris em um restaurante.

A banda achou melhor ficar somente hospedada em um estado, fazendo aí um bate e volta, indo pra São Paulo fazer o show do dia 7 e retornando no mesmo dia pro Rio de Janeiro, pra aproveitar os 2 dias de folga na cidade maravilhosa com a família. Will e Jonny aproveitaram também para demonstrar apoio ao projeto Street Child United no Rio de Janeiro.

No dia 7 fãs já estavam na fila desde a madrugada.

O SBT estava ao vivo da fila, logo pela manhã, no programa Primeiro Impacto (você pode assistir aos vídeos as matérias aqui). Eles retornaram mais tarde, na abertura dos portões e gravaram matérias para serem veiculadas no telejornal noturno.

Para deixar o post ainda mais especial, nós convidamos alguns fãs para relembrar momentos daqueles dias e nos enviarem suas fotos.

“Eu preciso desse momento pro resto da minha vida” – Pedro Martins
“Caramba… isso não deve ser verdade, meu Deus! é verdade mesmo!” – Maria Sicília

Eu acordei às 7 horas nesse dia, então também acordei meu amigo e disse vamos? […] e pegamos um táxi pro Maracanã, chegamos lá a fila não estava tão grande, sentamos, esperamos, fizemos amizade com uma galera de outros estados […] E então foi chegando a hora da abertura dos portões e meu coração faltava sair pela boca […] Foram 10 horas até começar o show e foi a melhor espera da vida! Eu não me arrependo de nada. – Ingride Andrade

Mas após muita espera, enfim, chegou a hora dos portões se abrirem…

No show de São Paulo, as pistas premium verde e branca tiveram alguns problemas na entrada. As catracas não funcionaram e, segundo os fãs que estavam no começo da fila, era um problema no sistema da Time For Fun.

No show do Rio de Janeiro tudo deu certo, apesar de algumas tretas.

Depois do problema em São Paulo e 16 minutos de nervoso, as coisas se normalizaram e deu tudo certo pra todo mundo.

O fã Sério e sua amiga aguardando o show. (Foto: arquivo pessoal)

“Esse dia tinha tudo para dar errado, desde a compra dos ingressos, pra falar a verdade”, disse o fã Sério De Nez (foto à esquerda). “Na data, a gente quase perdeu eles e quase nos separamos na hora de entrar no estádio mas deu tudo certo e no fim foi o melhor dia da minha vida!”

Danielli e suas amigas estavam todas arrumadas para o show. (Foto: arquivo pessoal)

A fã Danielli Ribeiro (foto à direita), por sua vez, foi mais direta ao ponto. “Eu nem chorei, só fiquei tremendo”, brincou.

“Eu acho que não tinha sentimento nenhum nesse momento, eu tava morta, isso sim… Com um tanto de sede também… E eufórica ao mesmo tempo”, comentaram as fãs Letícia Gomes e Natália Dias. Elas, junto com alguns amigos, conseguiram ficar na primeira fila do setor premium verde nos enviaram um vídeo de como estava a situação na grade:

Pollyana e Nathália, juntas, no Maracanã. (Foto: arquivo pessoal)

As fãs Pollyana Gomes e Nathália Assis foram juntas ao show no Maracanã, no Rio de Janeiro. Ao terem acesso à pista, registraram o momento em uma foto que nunca vão esquecer. “Eu mantenho todo amor e felicidade desse dia nessa fotografia”, disse Pollyana. “Eu tava feliz demais, demais mesmo, eu tava tão feliz, nunca fui tão feliz”, conclui. “Eu nunca vou ter palavras para descrever o quanto esse dia foi incrível”, acrescentou Nathalia. “Não foi só incrível pelo fato de ir ao show da banda que sempre melhora os meus dias, mas também por ter conhecido uma pessoa que só por existir, deixa a minha vida melhor”, concluiu ela, falando sobre sua amiga.

Enquanto o pessoal entrava no Allianz Parque, Chris e Jonny estavam gravando uma entrevista (hilária) para a MTV Brasil (que está disponível aqui). E no dia 10 os bonitões também gravaram para um especial do programa TVZ, do Multishow, só com clipes da banda. Os vídeos estão disponíveis aqui.

12938331_1047231432015444_4600966532598190585_n

Os shows ainda tiveram histórias incríveis. No do Rio de Janeiro, por exemplo, a vendedora ambulante Bianca recebeu um gesto enorme de carinho. Ela vendia batatas pelo estádio quando a corda que segurava a bandeja não aguentou o peso dos produtos e tudo veio abaixo. “Meu coração quase saiu pela boca por ficar sem jeito, além do desespero diante a imprecisão da procedência do prejuízo, porém quando meus olhos iriam se encher de água, varias pessoas estendiam as mãos com doações solidárias para me ajudar. […] quem veio para assistir a um espetáculo musical, acabando vendo um show de solidariedade e humanidade”, contou Bianca.

Você pode conferir essa outras histórias lindas nesse post.

Pouco tempo depois dessa cena linda, começaram os shows de abertura que ficaram por conta das poderosíssimas cantoras Tiê e Lianne La Havas.

Que, apesar de não serem a atração principal, elas marcaram os dias 7 e 10 na cabeça de muitos… Até porque, durante a apresentação delas, lá atrás no backstage teve um encontro emocionante das equipes daqui do Coldplay Brasil, do Viva Coldplay e do Chris Martin Brasil com a banda!

As equipes dos fã-sites, em São Paulo, posaram com a banda. (Foto: Ariel Martini)

No Rio também rolou encontro com o pessoal. (Foto: Ariel Martini)

Após esse encontro memorável, a banda subiu ao stage pra começar a se apresentar! Teve de tudo um pouco… um “Boa noite paulistas!”, “São Paulo is number one”, “Cidade Maravilhosa”… Os pedidos das noites foram Speed of Sound (em São Paulo) e A Message (No Rio de Janeiro), além de Trouble (10 pão ou é fome) e a icônica Parachutes.

O flash mob, organizado em uma parceria do Coldplay Brasil e Viva Coldplay foi incrível e abrilhantou ainda mais os shows.

Teve até PEDIDO DE CASAMENTO! Como não lembrar?!

E o guri que subiu no palco pra beijar o Chris?!

(Foto: Mariana Machado)

Os shows superaram as expectativas de todos, da setlist aos pedidos da noite e toda a decoração do palco.

A fã Mariana Machado disse ao Coldplay Brasil que “foi mais perfeito do que é possível imaginar! Nós brilhamos no escuro”.

Giullia Batista, fã carioca, que prestigiou o concerto no Rio de Janeiro, conta que não acreditava no que estava acontecendo. “Parecia que eu tava me assistindo de fora do meu corpo, porque tudo o que aconteceu antes dessa foto parecia um sonho”, diz. “Eu estava completamente feliz, mas completamente aérea!”.

“Eu me senti triste, mas feliz ao mesmo tempo”, disse Victor Figueiredo, que também foi ao Maracanã com amigos assistir ao show.

Giullia pegou confetes para uma foto. (Foto: arquivo pessoal)

Victor e seus amigos no final do espetáculo. (Foto: arquivo pessoal)

No dia 11 e 12 a banda ainda estava em solo brasileiro, e foi a última chance para conhece-los e se despedir.

Após todas essas emoções, as quais muitos tiveram a sorte de sentir e compartilhar, ou o azar de estar em êxtase e então infelizmente não lembrar do que exatamente aconteceu e de ter somente flashbacks desses dias tão especiais… É de notável importância a mensagem que Coldplay nos passa em suas músicas e em suas apresentações, a de que podemos tornar o nosso meio ambiente um lugar melhor e que temos que aproveitar o máximo de cada momento. E por mais difícil que seja, nossos sonhos vão se realizar, nem que você tenha que viajar de avião por mais de três horas, esperar por mais 10 sob sol na fila, cinco anos ou até mais, para finalmente ir ao show da banda que você ama, que em alguns casos já salvou sua vida e conhecer seus melhores amigos virtuais, mas você vai realizá-lo. Eu – e mais alguns milhares de fãs – infelizmente não pudemos presenciar isso, mas lhe garanto que a sensação de ajudar e depois ver os nossos amigos realizando o sonho que compartilhamos em comum já nos causa uma gratidão enorme. E mesmo que depois desse show, a vida tenha se tornado mais difícil, lembre-se de que pelo menos isso de bom aconteceu em toda essa turbulência que foi 2016.

Don’t ever give up.

20 anos, acadêmica de ciências biológicas, fotógrafa amadora e mais uma na multidão dos biggest fans do Coldplay.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do Coldplay Brasil e são de responsabilidade de seu respectivo autor. Utilizamos o Akismet para reduzir spam — entenda como seus dados de comentários são processados.

Deixe um comentário

Enviar sugestão
Reportar erro
© Coldplay Brasil 2012-2020 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA |
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Rabbit Hole