A visita de Chris Martin à Índia – Coldplay Brasil
A visita de Chris Martin à Índia

“Ele sorri com eles, não para eles. É isso que faz a diferença.”

17.jul.2015

O texto a seguir foi escrito por Gunjan Jain, da Oxfam India, para a Coldplay Timeline.


Um dos meus relacionamentos mais sérios começou por causa de Yellow, do Coldplay, em 2002.

Ele estava ouvindo ela quando me ofereceu uma carona. Apesar de estudarmos na mesma sala, nunca havíamos nos falado. Eu hesitei por um momento, mas comecei a cantarolar Yellow na minha cabeça. “Quão ruim poderia ser? Ele tinha um bom gosto musical” pensei à mim mesma e entrei no carro. O resto, como dizem, é história.

Quando eu recentemente entrei na Oxfam India, não imaginava que um dia eu teria a chance de conhecer pessoalmente o criador de Yellow. Música transcende do seu criador a seu ouvinte. Começamos a tê-la como ouvintes. Um velho tom traz à tona um mundo de memórias e associações ao dia em que nos apaixonamos por ele – ouvindo-a num loop. Me pergunto se o artista sabe que entra nos cantos mais privados da vida de alguém com sua música. Se torna uma parte de nossas memórias e experiências. Ver aquela distante visão do criador em pessoa é, com certeza, uma realidade surreal.

Eu conhecia sua música. Eu amava sua música. Mas eu não sabia como era o homem por trás de sua música. Chris Martin é um embaixador global da Oxfam. Quando ouvimos que Chris estava vindo à Índia e queria visitar um programa da Oxfam India, a empolgação e o planejamento eram óbvios. Mas eu logo me dei conta de que todos os planos para a visita eram inúteis. As diretrizes foram claras. Sem fotógrafos. Sem câmeras filmando. Sem a mídia. Eu implorei por pelo menos uma entrevista para TV ou jornal, mas havia apenas um foco. Chris queria conhecer as famílias e as pessoas pessoalmente. Queria entender em que condições viviam e as questões no qual a Oxfam India estava trabalhando. Ele queria tempo para contato direto com a comunidade.

Chris Martin visitou um projeto apoiado pela Oxfam India em Madanpur Khadar, nos arredores de Deli, uma colônia de reinstalação de migrantes, vivendo vendendo lixo reciclado. A Oxfam India trabalha com seus parceiros da EFRAH para garantir que a comunidade tenha acesso à educação. Eu assisti enquanto esse lendário artista sentou confortavelmente no chão da pequena cabana das irmãs Pooja e Aneesha, com apenas a porta permitindo qualquer ventilação. Ele ouviu a família sobre como eles estão educando suas cinco filhas e um filho, seus sonhos e a faculdade. Ele é humilde em suas perguntas, mas habilmente liga os pontos.

Minha colega em nosso escritório de Oxford, que trabalhou com o Coldplay por quase 15 anos, me contou em nossa primeira reunião as maiores celebridades que poderiam nos ajudar, mas que só faz diferença quando alguém entende e engaja com o problema e o trabalho que fazemos. E é por isso que o apoio de Chris à Oxfam tem sido tão especial. Eu só entendi o que ela havia me dito quando vi Chris conversando com as pessoas que moram lá. Ele se conecta com elas naquele momento. Ele sente a alegria e a felicidade, a luta e a resistência deles. Ele sorri junto com eles, não para eles. Acho que é por isso que sua música toca tantos corações. Ela se conecta, do mesmo jeito que ele. E faz mágica.

mm
Fundador e editor-chefe do Coldplay Brasil. Estudante de jornalismo (Universidade Luterana do Brasil) e repórter na Ulbra TV.
Enviar sugestão
Reportar erro

Comentários

Os comentários não representam a opinião do Coldplay Brasil e são de responsabilidade de seu respectivo autor. Utilizamos o Akismet para reduzir spam — entenda como seus dados de comentários são processados.
  1. 9.set.2016 às 21:19

    Em sua primeira edição na Índia, Global Citizen Festival terá Coldplay como headliner | Coldplay Brasil

    […] a viagem de Chris Martin, a Índia e suas belezas e seu povo batalhador ganharam um outro significado para a banda: o clipe […]

Deixe um comentário

© Coldplay Brasil 2012-2020 | Creative Commons | Política de Privacidade | DMCA |
Desenvolvido por Marcelo Monteiro e inspirado no trabalho de Pilar Zeta e Rabbit Hole